segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

10 coisas que você devia fazer sobre o consumo de drogas



A venda ilegal de drogas movimenta por volta de U$ 300 bilhões ao ano e representa 8% do comércio mundial.

As primeiras evidências de consumo de maconha datam do terceiro milênio antes de Cristo. Ela foi consumida por gregos, hindus, assírios, dácios, trácios e outros povos. Segundo relato do historiador grego Heródoto, a cannabis era usada em saunas para deixar os frequentadores “alucinados”.

Segundo estimativas da ONU, cerca 4% da população mundial – o que equivale a 165 milhões de pessoas – usam maconha pelo menos uma vez por ano. O número de consumidores diários é de aproximadamente 22 milhões.

A folha de coca é usada há mais de 1.200 anos por povos nativos da América do Sul, que a mastigavam para suportar a fome, a sede, o cansaço e os efeitos da altitude dos Andes.

A cocaína começou a ser consumida no Brasil na década de 1910. Vista como remédio e vendida em farmácias, era indicada para “jovens pálidas e delicadas”  e para “pessoas fracas”. Detalhe: só podia ser vendida com receita médica.

O crack é uma droga produzida a partir da mistura de cocaína com bicarbonato de sódio. O nome vem de “to crack” que, em inglês, significa “quebrar” (imita o som das pedras queimando no cachimbo). Vendido em pequenas pedrinhas, o crack é uma droga de efeito rápido e altamente viciante. Os efeitos são euforia, bem-estar e alucinações. É uma das drogas mais associadas ao aumento da criminalidade.

As drogas originárias do ópio são chamadas de opiáceas. As mais conhecidas são: buprenorfina, codeína, heroína, oxicodona, nalbufina e morfina, entre outras.

A heroína é uma droga derivada do ópio, substância extraída da papoula. Um dos maiores produtores de ópio é o Afeganistão. Sozinho, o país responde por 86% da produção mundial.

A abstinência da heroína é uma das mais perigosas. Na falta dela, o coração dispara, sujeitando o dependente a um ataque cardíaco. O corpo torna-se incapaz de regular a temperatura, fazendo com que o usuário transpire em excesso e tenha calafrios. Os outros efeitos são diminuição da libido, cólicas e diarreias.

A morfina é muito utilizada como droga anestésica e medicamento contra dores crônicas, inclusive do pós-operatório. Os médicos também costumam receitar morfina para pacientes terminais de AIDS, câncer e outras doenças que provocam dores insuportáveis.
   
Veja outras curiosidades e informações sobre esse assunto em: Mais Que Curiosidades

Nenhum comentário:

Postar um comentário