sábado, 22 de outubro de 2016

10 fatos curiosos sobre a vida e a carreira de Bob Marley


 
Robert Nesta Marley, era esse o verdadeiro nome do músico jamaicano Bob Marley.

Marley nasceu em 6 de fevereiro de 1945 em Saint Ann, no interior da Jamaica. Seus pais eram Norval Sinclair Marley, um militar branco inglês, e Cedella Booker, uma adolescente negra.

Marley costumava ser alvo de chacotas e brincadeiras de mal gosto dos garotos da vizinhança por ser mulato e por possuir baixa estatura.

Antes de se tornar famoso, Marley chegou a trabalhar em uma oficina mecânica e até a fazer leitura de mãos.

Seu primeiro sucesso internacional foi a música No Woman No Cry, de 1975, com o grupo The Wailers.

Bob Marley era adepto da religião rastafari. Pode-se, inclusive, dizer que ele era um missionário rasta, fazendo com que a religião fosse conhecida internacionalmente. Em suas canções Marley pregava fraternidade e paz para toda a humanidade. Antes de morrer ele foi inclusive batizado na Igreja Ortodoxa da Etiópia com o nome Berhane Selassie.

Em julho de 1 977, Marley descobriu uma ferida no dedão do pé direito, que ele pensou ter sido provocada por um acidente em um jogo de futebol. A ferida não cicatrizou, e sua unha posteriormente caiu. Foi aí que ele descobriu sofrer de câncer de pele. Os médicos o aconselharam a amputar o dedo, mas Marley recusou. O câncer espalhou-se para seu cérebro, pulmão e estômago.

Ao falecer, Marley estava completamente calvo. Para esconder a careca, seus dreads originais foram colados em sua cabeça. Antes de ser atingido pelo câncer, a última vez em que Marley havia cortado a longa cabeleira foi em 1 968.

Marley foi enterrado em Nine Miles, perto de sua cidade natal. Junto com o corpo foram enterrados sua guitarra, uma bola de futebol, um pote com maconha, um sino e uma Bíblia.

Interpretada pelo The Wailers, banda da qual Marley fez parte, a música One Love foi escolhida pela BBC como uma das canções do século XX. Já o disco Exodus foi eleito o Álbum do Século pela revista norte-americana Time.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário