domingo, 2 de outubro de 2016

10 coisas que valem a pena saber sobre os tubarões



Existem mais de 480 espécies de tubarões. Cerca de 88 já foram vistas na costa brasileira. A menor é o tubarão-pigmeu (com apenas 10 centímetros) e a maior (que pode chegar a inacreditáveis 15 metros e 20 toneladas), o tubarão-baleia.

O tubarão é uma das espécies marinhas mais primitivas, que existe há mais de 200 milhões de anos. Eles foram conterrâneos dos dinossauros.

Os tubarões são capazes de sentir o cheiro de uma gota de extrato de peixe num raio de 2.000 metros, além de que conseguem cheirar uma gota de sangue em 100 partes de água.

Tubarões não tem ossos. Ao invés de ossos, eles possuem cartilagem.

O fígado é responsável por cerca de 10% de todo o peso do animal. Já foram encontrados tubarões com fígado de 1,5 metros de comprimento, e cerca 1 metro de largura.

Apenas 30 espécies atacam seres humanos. As mais perigosas são o tubarão-branco, o tubarão-tigre, o tubarão-limão, o tubarão-azul, o cação-mangona, o tubarão-galha-branca e o tubarão-cabeça-chata.

Os tubarões são resistentes (ou quase resistentes, para falar a verdade) ao câncer. Dos 12 tipos de tumores descobertos em tubarões, apenas três são malignos. Apesar de intrigados, os cientistas suspeitam do tecido cartilaginoso do animal. Como não possuem vasos sanguíneos, eles liberam algum tipo de substância que impede a alimentação dos tumores. 

Segundo a FAO (Agência da ONU para Alimentação e Agricultura) entre 50 e 100 milhões de tubarões são mortos anualmente, grande parte por navios pesqueiros. Isso significa que morrem 11 milhões desses animais para cada ataque contra seres humanos.

A “indústria” da barbatana de tubarão é milionária. Um quilo de barbatana pode chegar a 1.000 dólares em alguns restaurantes de Honk Kong.

O consumo de tubarões na China mexe com a indústria pesqueira do mundo todo. Pode parecer inacreditável, mas ela é responsável pela matança anual de 280 mil tubarões só na costa brasileira.

Mais informações: Mais Que Curiosidades

Nenhum comentário:

Postar um comentário